quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sei que é meio estúpido, bobo e injênuo (sim, tudo ao mesmo tempo) da minha parte escrever algo aqui e não querer que alguém veja. Sei também que a minha "necessidade" de escrever aqui vem de uma "'frustração' caligráfica", por assim dizer, já que tudo que eu escrevo no papel parece tão menos sério por contada minha letra infantil e inconstante que aparenta ter personalidade própria; às vezes tenho medo.
O que eu quero dizer, talvez pra mim mesma, todas as vezes que eu chegar a (re)ler esse texto sem pé-nem-cabeça, é que eu consigo. Talvez não sozinha, reconheço que não tenho tanta força assim. Mas eu preciso me lembrar que a força que tenho é suficientemente forte (não vou pedir perdão pela redundância) pra pedir ajuda.

5 comentários:

pensarcusta disse...

very nice
:P
cumpz

ariane disse...

eu tenho essa necessidade também,e não quero perder isso,mesmo que sejam apenas palavras soltas,eu preciso libertar.

a_girl_feeling disse...

Interessante... sigo refletindo! bjss

Vicky disse...

Renata, não deixe de escrever no seu bolg, è muito legal a forma que você se expressa. Adoro seu blog!

Ellis Tavares disse...

Ah o endereço do teu blog me chamou a atenção. Mesmo porque eu realmente tenho pensado " O amor é um filme". Posso enxergar isso.